Alfredo Eidelsztein

Desambiguar Lacan de Freud — Luciana N. de Nunes; Sander Machado da Silva (Org.) – 2023

Ao enunciar Desambiguar Lacan de Freud, nosso desejo é trabalharnuma direção de desfazer a suposta equivalência entre as construções teóricas desses autores. Partimos da premissa de que não é possível considerar homólogas as concepções, para citar apenas um exemplo, de inconsciente nas teorias de Freud e de Lacan. Desambiguar, portanto, é a função de estabelecer e de fazer trabalhar diferenças equivocadamente tomadas como tendo um mesmo significado “em outros termos”.

Sem dúvidas, a devida distinção entre os fundamentos de uma
teoria e da outra implica uma infinidade de conceitos a serem
desambiguados. Isso não quer dizer que não existam ambiguidades no discurso de um e de outro autor, mas não se trata do mesmo discurso. É essa ambuiguidade, notória e peculiar do campo psicanalítico, que colocamos em questão. Não obstante, estamos cientes de alguns dos contrapontos dessa proposta, os quais são bem-vindos, visto que buscamos um efetivo debate.

Desambiguar, se for tomado como significante, não pode jogar sozinho, ou seja, não pode representar-se a si mesmo. Nas páginas que se seguem, portanto, cada autor irá fazê-lo jogar diferentemente, conforme suas argumentações ou contrapontos ao termo que dá título ao presente livro; porém, não há nada de surpreendente nisso. No entanto, é preciso que os organizadores deste debate registrem, aqui, como haviam pensado esse projeto, já que seu destino, para além daquilo que os autores escreveram, caberá aos seus leitores.

Luciana Nunes de Nunes

Sander Machado da Silva